quinta-feira, 10 de janeiro de 2013

O Brilho da Estrela Guia


 Neusa Borges



Assim como os três reis magos
que seguiram a estrela guia
A bandeira segue em frente
atrás de melhores dias, ai, ai
                                     Ivan Lins


Não foi nem um pouco fácil. Afinal, alguns meses atrás, a Folia de Reis Estrela Guia, do Bairro Nova Divinéia, em São Bernardo, contava com dois importantes integrantes: José de Lima, o embaixador, e Grimaldo Sampaio, que cantava e tocava na companhia. No entanto, em maio de 2012, ambos vieram a falecer, após complicações decorrentes de um AVC.
Os foliões do grupo ficaram bastante abalados com a perda dos dois homens que sempre atuaram na linha de frente, ao ponto de pensarem em não fazer o giro no mês de dezembro, bem como não comemorar o Dia de Reis.



Mas, mesmo com a alma em luto, o grupo reuniu forças e não deixou de atender às solicitações daquelas pessoas que armaram a sua árvore de Natal e o presépio, especialmente para receberem os santos reis em seus lares.
Do dia 23 de dezembro até o dia 6 de janeiro, os moradores do Jardim Represa, Bairro Batistini, Jardim Detroit e Jardim do Lago, foram visitados pelos foliões que, muitas vezes, se apresentaram com a voz embargada pelo choro que nem sempre foi possível conter.
No final da manhã do último domingo, 6 , Dia De Reis, após participação em atividades organizadas pela prefeitura da cidade, o grupo rumou para o Divinéia, onde várias residências aguardavam a chegada dos foliões com a bandeira dos santos reis.

Sem dúvida, é sempre muito emocionante a chegada da folia de reis numa residência. No entanto, o Dia de Reis do ano de 2013 ficará marcado para sempre no coração dos moradores daquela comunidade, que parou para ver a passagem dos foliões que deram um exemplo de superação, para continuar seguindo em frente sem aqueles que nunca mediram esforços para manter viva a tradição.



Da janela, dona Maria Ferreira de Lima contemplava a passagem da folia que o seu amado marido José de Lima tanto amou e dedicou grande parte da sua vida.
Nos olhos do Xingu, que assumiu a função de embaixador, vimos fé e a determinação herdadas do seu querido pai que, com certeza, deve estar orgulhoso pelos ensinamentos transmitidos ao filho.
 As crianças, Jean Nascimento de Lima, de 7 anos, e Júlio César de Lima, de 11 anos, que decidiram integrar o grupo, certamente devem ter recebido as bênçãos do vovô, pois, lá do céu, ele e seu parceiro Grimaldo estão na torcida para que os daqui da terra não deixem morrer o que ele plantou e cultivou durante mais de três décadas.

Após cumprirem o ritual das visitas nas casas, era chegada a hora de partirem para o almoço na residência do folião Vicente. A comida, farta e muito saborosa, que foi preparada por várias mãos, reuniu muita gente ao redor das várias mesas espalhadas no andar superior da casa.


Olhando para aquelas pessoas seguindo os foliões nas ruas, assim como as que ficavam nas janelas de suas casas, bem como para as que participaram do almoço comunitário, não dá para não pensar na importância das práticas que fortalecem os laços de solidariedade entre os moradores da comunidade, e que contribuem para a sensação de pertencimento.
Portanto, valorizar as culturas populares é fundamental para que possamos viver em comunhão, algo tão importante numa sociedade em busca de uma cultura de paz.


2 comentários:

  1. É muito bonito ver como a cultura une as pessoas, como a lembrança dos entes queridos fotalece a vontade de continuar! Parabéns à todos e continuemos essa luta, que é eterna

    Thiago

    ResponderExcluir
  2. Dalila Teles Veras11 de janeiro de 2013 20:35

    Parabéns, Neusa, pelo comovente relato e pela sempre entusiasta adesão às causas das manifestações populares. Tem toda a razão quando afirma que "laços de solidariedade entre os moradores da comunidade, contribuem para a sensação de pertencimento". Nada mais verdadeiro.

    ResponderExcluir

Se você não tem cadastro no Google, pode deixar seu comentário selecionando a opção Nome/URL no campo Comentar como logo abaixo.